23
Out
06

Até ao final.

    

    Cresci numa época em que um dos poucos desportos que me
despertou interesse foi a formula um, era simples de perceber, haviam vários carros
e objectivo era acabar em primeiro lugar. Inicialmente, nem percebia bem as
regras, ficava a olhar para os carros enquanto os pilotos se debatiam para
conquistar uma posição ao adversário, se bem me lembro o primeiro grande prémio
que me despertou interesse foi um no circuito do Mónaco, depois comecei a ver
aos domingos as corridas e acabei por estimar os Lotus pretos que corriam no
inicio da década de 80, no entanto e pouco a pouco, fiquei adepto não dos
vencedores mas de uns carros vermelhos que eram pouco sortudos e raramente
venciam.
    Os anos
passaram e eu acabei por crescer e tornar-me adepto do desporto, mas a equipa
de selecção havia-se tornado a Ferrari, no entanto continuavam a não ganhar e
era habitual os motores dos carros explodirem numa nuvem de fumo quando o turbo
cedia ou acontecia um ou outro percalço mecânico. A minha equipa não era a
vencedora e sinceramente já havia perdido a esperança, até que um dia, um jovem
campeão, agressivo e ambicioso mudou-se para a equipa Ferrari, era o Michael
Schumacher, que me tinha já chamado a atenção pela forma e vontade de vencer.
    Recordo-me
de me dizerem que uma equipa italiana, cujo gestor era francês, o estratega
inglês e com um piloto alemão nunca seria uma fórmula de sucesso, discordei na
hora e disse que agora a maré iria mudar. Mas falava mais a voz da esperança do
que da razão, pois havia anos que a Ferrari não ganhava nada.
    Nas
primeiras corridas atrás do volante, logo ficou obvio que o carro não era tão
competitivo quanto os seus pares, no entanto e apesar disso, era levado aos
limites, lembro-me perfeitamente de o Schumi encostar a cabeça de lado para que
o ar entrasse melhor no motor, pois o carro havia sido concebido para alguém mais
baixo, mesmo assim ele levava o carro até aos limites do mesmo.
    Se duvidas
tinha, estas dissiparam-se quando numa corrida após a paragem nas boxes para
mudança de pneus, o carro arrancou e percorreu uns metros tendo parado, o Schumi
simplesmente levantou-se do carro e começou a caminhar em direcção às boxes e
pelo caminho apanhou todas as peças que haviam caído do carro, tendo as
entregues aos mecânicos.
    Depois e
para encurtar a história, ganhou 5 campeonatos pela Ferrari, dando-me a alegria
pela primeira vez de ser fã de uma equipa vencedora.
    Michael
Schumacher, obrigado pelas alegrias que deste a mim e a tantos outros que nunca
perderam a esperança de ver os carros italianos na frente, obrigado por todos
os momentos emocionantes que proporcionaste, apesar de teres sido odiado por
uns foste adorado por outros, mas independentemente disso, escreveste o teu
nome nos livros da história da formula 1, como o maior e melhor piloto da
modalidade e conduzindo um Ferrari. Hoje foi a tua última corrida, mas mais uma
vez mostraste que na pista como na vida, mesmo na última volta temos de ir
sempre em frente e se é para acabar, acaba-se em grande.

  


0 Responses to “Até ao final.”



  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: